Varizes
1

Quais as posições que favorecem o surgimento das varizes?

Ficar muito tempo de pé ou sentado. Nessas posições, as perna ficam para baixo e a circulação venosa atua contra a gravidade, que torna o retorno venoso mais difícil. Toda vez que as pessoas se movimentam, a contração dos músculos da pantirrulha impulsiona o fluxo de sangue para cima e a circulação é facilitada. Portanto, subir escada pode ser considerado até um exercício físico, o que ajuda a incrementar o retorno venoso. Deitar, especialmente com as perna para cima, também favorece o retorno venoso.

Dra. Ana Carolina Freire Costa, médica (CRM/RS 32837)

Varizes
em-pe

Ficar em pé muito tempo causa varizes?

O fato de permanecer muito tempo em pé não causa varizes, mas certamente piora a doença em pacientes predispostos, fazendo com que as varizes apareçam mais rapidamente e se tornem maiores. Paciente predispostos já apresentam uma anormalidade da função das veias, o que pode decorrer de tendência genética ou mesmo de uma trombose prévia.

Dra. Ana Carolina Freire Costa, médica (CRM/RS 32837)

Microvarizes, Varizes
varizes-vazinhos

Os vasinhos podem se transformar em varizes grossas caso eu não faça o tratamento?

Aqueles vasinhos vermelhos ou roxos não se transformam em varizes grossas. Seu principal comprometimento é estético. Entretanto, sua presença alerta para um problema maior de insuficiência venosa que, se não tratado, pode levar ao surgimento das temidas varizes. Por isso, é fundamental que um cirurgião vascular avalie o caso, para detectar eventuais anormalidades além da simples questão estética.

Dra. Ana Carolina Freire Costa, médica (CRM/RS 32837)

Varizes em gestantes: há contra-indicação para o tratamento de varizes durante a gravidez?

Varizes em gestantes: há contra-indicação para o tratamento de varizes durante a gravidez?

Sim. É recomendável que qualquer tratamento, especialmente o cirúrgico, seja realizado somente três meses após a gravidez.

Entretanto, isso não quer dizer que se deva esperar passar por uma gestação para iniciar o tratamento de varizes, mesmo o cirúrgico. Se você tem planos para engravidar e sente os sintomas de varizes, como dores nas pernas, sensação de cansaço, câimbras entre outros, é extremamente importante realizar um tratamento de varizes antes da gestação. Durante a gravidez, as veias já dilatadas podem chegar a dobrar ou triplicar de tamanho, gerando desconforto e fortes dores nas pernas.

Todavia, se você já está em período de gestação, recomenda-se o uso de meias elásticas para gestantes e seguir as orientações de seu ginecologista. A boa notícia é que a maioria das veias dilatadas que surgem na primeira gestação voltam ao normal após o termino da gravidez. A partir da segunda gestação, as veias doentes tendem a permanecer. Se for o seu caso, você deverá procurar um cirurgião vascular três meses após o parto.

Por que as varizes aumentam na gravidez?

Vários fatores contribuem para isso. Durante a gestação, há aumento de um hormônio chamado Progesterona, que atua também relaxando a delgada musculatura da parede das veias. Além disso, com o passar dos meses, aumenta o volume de sangue circulando na gestante, o que sobrecarrega as veias. Soma-se a isso a compressão que o útero gravídico exerce sobre as veias do abdome e pelve, impedindo o esvaziamento adequado das veias das perna nessas. Tudo isso acaba por causar o surgimento de varizes grossas.

Como se prevenir das varizes na gravidez?

A principal maneira é usar meias elásticas de média compressão até o fim da gestação. Existem meias específicas para gestantes. Para conhecer o método mais adequado de uso das meias, é necessária uma avaliação médica.

A prática de exercícios também é um ótimo hábito, sempre com orientação de seu ginecologista.

Dra. Ana Carolina Freire Costa, médica (CRM/RS 32837)

Varizes

Como é a recuperação pós-operatória da cirurgia de varizes?

A recuperação varia muito de acordo com o tipo de cirurgia realizada e gravidade do caso tratado. Mesmo nos casos mais avancados, espera-se retorno às atividades normais em 15 dias.

O repouso: Nos casos de retirada de safena pela técnica convencional, deve-se fazer 3 dias de repouso. Não é necessário ficar deitado todo o tempo e nem é aconselhável. Você pode ir ao banheiro, tomar banho e fazer as refeições normalmente. A partir do 3o dia, caminhadas curtas em solo plano são liberadas, aumentando na medida em que não houver desconforto.

Para as cirurgias de ablação de safena com laser ou retirada apenas de veias superificiais, o paciente já deve caminhar no dia seguinte da cirurgia.

Meias elásticas: o uso de meias elásticas de média compressão está indicado assim que o paciente começar a caminhar, apenas durante o dia, por 2 meses após a cirrugia. Geralmente em duas semanas as atividades físicas podem ser liberadas, de acordo com avaliação médica. É importante ressaltar que, embora o uso no pós-operatório seja indicado por um período restrito, os pacientes com doença varicosa devem adquirir o hábito de usar meias elásticas no dia-a-dia, sempre que permanecerem muito tempo em pé ou sentados na mesma posição.

Exposição ao sol: O banho de sol está liberado após desaparecerem as manchas roxas, o que geralmente ocorre em torno de 21 a 40 dias depois da cirurgia.

Acompanhamento: As consultas de pós-operatório ocorrem em 3 ocasiões, conforme orientação, para que o cirurgião vascular possa avaliar os resultados da cirurgia. Após esse período, são aconselhados retornos anuais para reavaliaçã e orientações de prevenção.

Pratique esportes: A prática de atividades físicas que fortaleçam a musculatura da panturrilha é aconselhável para pacientes com tendência a varizes. São bons exemplos: caminhar, correr, andar de bicicleta, nadar, musculação, pilates, entre outros esportes.

Tratamentos estéticos como depilação, massagem relaxante, drenagem linfática, entre outros são liberados após um período mínimo no pós-cirúrgico. Para saber o tempo indicado, converse com seu médico, pois os intervalos variam de acordo com o porte da cirurgia realizada.

Não tome nenhuma atitude sem orientações de um especialista em varizes (médico angiologista e cirurgião vascular).

Dra. Ana Carolina Freire Costa, médica (CRM/RS 32837)

Microvarizes, Varizes
photodune-1501372-a-surgeon-wearing-a-mask-l-2560x1000

Onde são realizadas as cirurgias de varizes?

Você poderá escolher entre ser operada(o) no Hospital Divina Providência, Hospital Moinhos de Vento, Hospital Ernesto Dornelles e Hospital Dom Vicente Scherer (Santa Casa). Isso é válido para os casos de cirurgia convencional de varizes e endolaser.

As sessões de escleroterapia são realizadas no ambiente do consultório.

Dra. Ana Carolina Freire Costa, médica (CRM/RS 32837)

Varizes
3

As veias safenas retiradas na cirurgia não farão falta no futuro?

A veia safena interna é uma veia longa que percorre toda a face interna da perna e faz parte do sitema venoso superficial da perna. Esse sistema corresponde a 20% da circulação venosa da perna, logo, uma veia desse sistema causa pouca repercussão quando removida. É justamente por isso, e por ser uma veia bastante longa, que a veia safena interna é retirada da perna e utilizada como substituto da circulação arterial quando há uma obstrucao grave em diversos locais do corpo, como coração ou ainda na pernas. (ex. infarto, amputacao de perna e etc).

Durante uma cirurgia de varizes, a preservação da safena é um objetivo, pois ela poderá ser útil caso uma ponte de safena (também chamado bypass) seja necessária para corrigir algum problema mais grave de circulação.

Entretanto, essa veia pode estar cometida pela doença de varizes em alguns pacientes. Nesses casos, a safena apresenta alterações em sua estrutura que impedem sua utilização como ponte. Dessa forma, a safena não terá utilidade para uma cirurgia do coração, por exemplo, e deverá ser retirada para completa correção das varizes.

Uma safena comprometida, quando não retirada, causa retorno de varizes em curto period após a cirurgia.

Como opção à extração tradicional da safena, pode-se realizar a ablação desta com laser, que é menos agressiva. Com essa técnica, a safena não é removida. Uma microfibra ótica é introduzida na veia, e o laser de iodo instalado na ponta irá causar seu fechamento pelo calor.

Para as cirurgias cardíacas e demais tipos de bypass, há outras opções além das safenas, que possibilitam ótimos resultados nesses procedimentos (ex. Artéria torácica interna, artéria radial, etc).

Dra. Ana Carolina Freire Costa, médica (CRM/RS 32837)

As varizes podem voltar após a cirurgia?

As varizes podem voltar após a cirurgia?

Não. A cirurgia de varizes programada e realizada pelo médico especialista vascular remove as veias dilatadas e, uma vez retiradas, as mesmas veias nao poderiam retornar. Nos casos em que a avaliação pré-operatória demonstrou insuficiência de safenas, estas também devem ser tratadas para prevenir que as varizes voltem precocemente.

Entretanto, em 20% dos casos, novas veias dilatadas aparecem nos mesmos ou em outros lugares da perna. Isso porque a cirurgia de varizes trata apenas as veias que se encontram dilatadas naquele momento, mas não corrige a tendência do paciente a dilatar veias normais e desenvolver outras varizes. Com isso, novas varizes podem surgir.

Para tentar evitar o surgimento de novas varizes, é importante seguir orientações para melhora da circulação, conforme indicação do cirurgião vascular para o seu caso.

A possibilidade do surgimento de novas varizes não deve impedir ou postergar o tratamento daquelas que já apresentam problema, pois o resultado estético do tratamento de varizes é tanto melhor quanto mais cedo for iniciado o tratamento.

Mesmo após um tratamento bem sucedido de varizes, é recomendável que os pacientes procurem um cirurgião vascular anualmente para revisões sistemáticas.

Mesmo mulheres jovens que ainda não engravidaram não devem retardar o início do tratamento para após a gestação, pois as varizes tendem a se agravar durante esse período e costumam causar ainda mais desconforto se não forem tratadas adequadamente.

Praticar esportes e realizar caminhadas de no mínimo 30 minutos ajudam a combater as varizes.

Dra. Ana Carolina Freire Costa, médica (CRM/RS 32837)

Tratamento de varizes com espuma

Tratamento de varizes com espuma

Dr. Francisco Carvalho Domingues - Instituto Ibérico de Medicina Estética - arquivo pessoal

A técnica consiste em se produzir uma espuma densa, com microbolhas que, ao ser injetada nas varizes, provoca inflamação e fibrose das mesmas. Como a espuma é mais espessa que os agentes esclerosantes convencionais, ela fica mais tempo em contato com a parede do vaso, o que garante maior ação esclerosante local, que permite inclusive um resultado satisfatório inclusive em veias mais calibrosas.

Esse método pode ser aplicado inclusive nas veias safenas, embora o risco de embolia seja um fator a ser considerado. O uso dessa técnica nas veias superficiais dilatadas pode ser uma opção de tratamento, porém o índice de flebites e manchas residuais também é maior se comparado à microcirurgia.

Uma boa indicação para essa técnica é o tratamento em tecido esclerodérmico, na cicatrização de úlceras venosas e na eliminação das telangiectasias em cachos de uva.

Dra. Ana Carolina Freire Costa, médica (CRM/RS 32837)

Agradeço ao Dr. Francisco Carvalho Domingues (www.iime.pt) pela gentileza em autorizar o uso de imagem do seu arquivo pessoal para fins informativos nesse site.

Cirurgia de varizes com laser (ENDOLASER)

Cirurgia de varizes com laser (ENDOLASER)

A técnica da cirurgia de varizes com o uso do laser endovenoso (EVLT – Endovenous Laser Treatment ou endolaser) é um método recente e menos traumático de tratamento para as varizes mais calibrosas, especialmente as safenas.

Ao invés de “arrancar” a safena, conforme descrito na técnica convencional da cirurgia de varizes, uma fibra ótica é introduzida na veia através de uma pequena punção com agulha ou pequena incisão próximo ao tornozelo, até o ponto da origem do refluxo. Nesse momento, iniciam-se os disparos dos pulsos de laser, que aquecem as estruturas próximas e resultam na cauterização e obliteração do vaso, na extensão que se fizer necessária no caso tratado. O procedimento é guiado por ecodoppler.

Essa técnica melhorou o tratamento do refluxo de safena por ser uma alternativa que resulta em menor trauma operatório e ausência de hematomas no trajeto da safena. O pós-operatório é praticamente indolor, o paciente pode caminhar já no dia seguinte à cirurgia e retorna rapidamente às suas atividades habituais. Além disso, as lesões nervosas e linfáticas da cirurgia tradicional não acontecem com esse procedimento endovascular.

Dra. Ana Carolina Freire Costa, médica (CRM/RS 32837)