Cirurgia Convencional de Varizes

Qual o melhor procedimento para tratar as varizes?

Atualmente, podemos tratar as varizes pela cirurgia convencional, pela técnica com laser, ou com espuma.
Muitos pacientes ficam em dúvida sobre qual a melhor opção para o tratamento. Inicialmente, devemos considerar que nem todos os pacientes são candidatos a todos os tratamentos. Cabe ao cirurgião avaliar o paciente e decidir quais as opções possíveis.
A decisão dependerá da experiência do cirurgião vascular. Entretanto, considerando as orientações de diretrizes internacionais e que não haja impedimentos técnicos, a ablação térmica por laser ou radiofrequência é a primeira opção para tratamento de safenas incompetentes, dados os bons resultados associados a menores índices de complicações.
Como segunda opção, há o tratamento com espuma, realizado com bons resultados e poucas complicações, apesar de taxas um pouco maiores de falhas.
A cirurgia convencional é elencada como terceira opção apesar de seus bons resultados e extenso conhecimento da técnica após anos de realização em todo o mundo. Essa terceira posição entre as opções possíveis se deve principalmente às taxas maiores de complicações, embora também pouco frequentes. É importante salientar que a cirurgia convencional permanece como opção de bons resultados para o tratamento das varizes. Entretanto, a tecnologia atual oferece tratamentos com resultados comparáveis e menores chances de complicações.

Cirurgia Convencional de Varizes (Fleboextração/ Safenectomia)

As veias que se transforam em varizes não podem ser curadas. Dessa forma, a melhor solução é removê-las. O objetivo da cirurgia é reduzir a pressão do sistema venoso da pele através da remoção de suas veias. A remoção de varizes não afeta o fluxo de sangue porque outras veias superficiais e especialmente as veias profundas compensam as que foram removidas.

 

Preparo para a cirurgia
Apesar de ser considerada uma cirurgia de baixo risco, uma avaliação clínica deve ser feita para detectar fatores de risco para cirurgia. Serão solicitados os exames pré-operatórios necessários, além de uma ecografia para avaliar a função das veias das pernas, chamada de ecodoppler colorido.
A cirurgia não exige permanência no hospital e o paciente recebe alta no mesmo dia. Entretanto, é necessário que o paciente tenha um acompanhante ao chegar ao hospital e para conduzí-lo de volta para casa ao término do procedimento, já que o ele não terá condições de dirigir ou utilizar o transporte público.
Já no hospital, antes do procedimento, o cirurgião desenhará um mapa de suas varizes nas pernas com uma caneta especial de forma que elas possam ser localizadas no procedimento mesmo após estar deitado.

 

A cirurgia
A cirurgia de varizes é realizada sob anestesia geral ou raquianestesia. Dependendo da localização das veias, o paciente ficará deitado de barriga para cima ou para abaixo.A operação varia um pouco de caso para caso, dependendo das veias que apresentem problema. Para a retirada da veia safena magna ou interna, são realizados dois corte, um na virilha e outro no tornozelo ou joelho. Um fio de metal é passado por dentro de toda a veia e orienta a remoção desta através das incisões.
Por vezes, a safena parva ou externa também apresenta problemas. Nesse caso, os cortes são realizados na parte posterior do joelho e do tornozelo. Essa veia é removida com menor frequência devido à proximidade com um nervo, que pode ser danificado.Finalmente, na maioria dos casos, as veias varicosas visíveis são removidas através de pequenas incisões puntiformes ao longo das veias varicosas. Essas incisões não necessitam pontos e são cobertas apenas com micropores. As pernas são enfaixadas ao final do procedimento.

 

Pós-operatório
Terminada a cirurgia, o paciente é levado à sala de recuperação pós-anestésica, onde permanece por um período de 2 a 6 horas em média. O paciente recebe alta quando totalmente recuperado, puder comer, caminhar e urinar sem dificuldade.
Os pacientes não costumam se queixar de dor intensa, mas ardência e queimação ao acordar são comuns.
Algumas das incisões menores podem sangrar um pouco mais nas primeiras 24-48 horas. Por esta razão, é melhor manter os micropores por 5 dias, que também favorece a boa cicatrização. As meias elásticas também ajudam nos primeiros 7 dias. Após este tempo, as meias ajudam na contenção dos hematomas e devem ser usadas apenas se proporcionarem mais conforto. As incisões, embora inicialmente muito visíveis, diminuem até tornarem-se praticamente invisíveis dentro de 9 a 12 meses.
Geralmente, há grandes hematomas na perna, em particular ao longo do meio da coxa. Este hematomas melhoram em 3 a 4 semanas.
A maioria das pessoas descrevem a perna dolorida e pesada quando chegam em casa. O repouso melhora os sintomas e é importante permanecer deitado com as pernas elevadas por 3 dias. Durante o repouso, deve-se movimentar as pernas, para evitar a ocorrência de trombose venosa. O desconforto melhoram bastante ao longo da segunda semana de pós-operatório.
Passado o período de repouso, deve-se realizar caminhadas curtas e numerosas ao longo do dia até retornar gradualmente às atividades normais.

Dirigir: Permitido após o 7o dia, desde que a perna não esteja muito desconfortável.

Banho: Permitido no dia seguinte à cirurgia. Os micropores podem ser molhados no banho, mas não devem ser removidos.

Trabalho: A depender do tipo de atividade, o trabalho pode ser retomado em até 15 dias. Algumas profissões mais extenuantes, podem exigir afastamentos mais longos.

Medicamentos: alguns analgésicos serão orientados ao final da cirurgia.

Complicações
Complicações após cirurgia de varizes são incomuns.

  • Pneumonia: Podem ocorrer após qualquer cirurgia, especialmente em fumantes.
  • Infecção da ferida cirúrgica: Infecções graves são raras, mas mesmo as menores exigem uso de antibiótico.
  • Secreção pelas feridas: Deve ser sempre avaliada pelo médico, com diferentes tratamentos a depender da causa. Pode durar até 6 semanas em alguns casos.
  • Lesões de nervos da perna: são incomuns. Entretanto, dois nervos da pele estão particularmente em risco: um da sensação do dorso do pé, e outro da borda exterior do pé. Outros nervos também podem ser acometidos e afetarem a sensibilidade de regiões diferentes da perna. A sensação reduzida pode ser muito perceptível no início, mas normalmente diminui com o tempo e geralmente não é um problema a longo prazo.
  • Trombose venosa profunda: pode ocorrer após qualquer cirurgia, mas é raro após cirurgia de varizes.

Recorrência
A recorrência de varizes ocorre em cerca de 1 em 15 pacientes durante um período de dez anos. Por vezes, pode ser necessário tratamento adicional.