Atividade Física
meias

Meias de compressão: Benéficas ou inúteis?

Já é amplamente conhecido o fato de que as meias de compressão minimizam a dor causada pelas varizes. Mas seu uso atualmente vai além disso e está se tornando tendência nas maratonas e academias.

Quanto mais pessoas descobrem a importância de cuidar da saúde das pernas, maior é a aderência ao uso das meias de compressão. Tanto corredores de maratonas, quanto viajantes de longas distâncias ou mesmo pessoas que trabalham em pé além de 8 horas, podem se beneficiar da adição de uma leve pressão nas pernas.

O crescente uso das meias em eventos esportivos foi estimulado por estudos recentes que demonstraram a melhora na performance durante e após o exercício quando usadas por atletas. Enquanto a ciência ainda está debatendo se meias de compressão realmente ajudam a aumentar o desempenho no exercício, não há dúvida, entretanto, sobre os seus benefícios para a saúde, tais como:
-Ajudar a aumentar a circulação e minimizar a fadiga (contribuindo para uma recuperação mais rápida).
-Prevenção do acúmulo de ácido lático e inchaço durante a prática de atividade física.
-Ajudar a reduzir a dor e os sintomas de varizes e vasinhos.

Se você é um ávido atleta tentando se recuperar de treinamentos recentes ou um novato tentando sair do sofá, aplicar pressão nas pernas com meias de compressão pode ajudar. Especialmente para iniciantes que não estão acostumados com atividade física, as meias são uma ótima maneira para ajudar a circulação e controlar a inflamação.
A questão sobre a melhora da performance durante o exercício ainda não está totalmente esclarecida. Entretanto, o uso das meias é vantajoso independente disso. Mas sempre com orientação médica.

Dra. Ana Carolina Freire Costa (CRM 32837)

Varizes
ecodoppler

O papel do Ecodoppler na avaliação das Varizes

O trabalho de nossa veias é levar o sangue das diferentes partes do corpo de volta  ao coração para manter a circulação. Dentro de nossas veias, existem válvulas unidirecionais , que permitem que o sangue flua em sentido ascendente, e depois fecham para evitar que ele reflua no sentido inverso devido à ação gravitacional. Uma veia varicosa , por definição , tem válvulas disfuncionais, que permitem esse refluxo. Esta pressão de volta congestiona a veia e pode causar inchaço e sintomas de dor nas pernas.

O ecodoppler colorido, um exame pedido frequentemente pelo cirurgião vascular, nada mais é do que uma ultrassonografia das veias da perna. A tecnologia de ultra-som permite criar um “mapa” venoso para entender quais veias estão funcionando normalmente e quais não estão. As principais veias da perna não são visíveis a olho nu e, por isso, é importante realizar o exame para estudá-las. A partir disso, pode-se formular um plano de tratamento específico para cada perna. Este ultra-som deve ser realizado com o paciente em pé para avaliar verdadeiramente fluxo da veia contra a gravidade. Para o estudo venoso, não é necessário jejum nem uso de contraste.

Dra. Ana Carolina Freire Costa (CRM 32837)

linfedema, Microvarizes, Trombose Venosa Profunda, Varizes
10(61)

Alívio para pernas cansadas

Com essas temperaturas de Verão que tem feito em Porto Alegre em pleno, acabei por ter a oportunidade de testar um produto que só esperava fazê-lo lá por dezembro. Fui chamada para auxiliar uma cirurgia cardíaca de urgência e, claro, estava sem minhas meias elásticas aquele dia. Resultado: pernas MUITO cansadas. Foi então que, ao chegar em casa, resolvi testar o Clarins Lait Jambes Lourdes.

Trata-se de um dos produtos mais tradicionais nessa linha de cremes para aliviar os sintomas de “pernas pesadas”, como o próprio nome já sugere. O cheiro é agradável e não é muito forte, se considerarmos que esses produtos sempre tem o cheiro de menta bem presente. Contém erva de São João, camomila, avelã, majericão e sálvia. Absorve rápido na pele e deixa uma boa textura.

Esses cremes devem ser aplicados de forma semelhante: espalhe um quantidade suficiente do creme a partir dos pés e tornozelos até a parte de baixo da coxa, logo acima do joelho. Massageie com movimentos de baixo para cima, como uma drenagem linfática.

Existem vários cremes para essa finalidade, porém confesso que nunca havia testado por simplesmente não acreditar que funcionassem. Entretanto, como muitas pacientes me pedem orientações para alívio desses sintomas, resolvi testar. Fiquei bastante satisfeita, pois aquela sensação de latejamento ao deitar após 6 horas em pé numa cirurgia foi substituída pelo frescor do creme.

Devo acrescentar que tenho um daqueles “travesseiros anti-varizes”, que elevam os pés, e também faço uso dele sempre que o dia é mais puxado. No dia seguinta, já estava sem dor. Mas, na dúvida, saí de meia elástica…

Dra. Ana Carolina Freire Costa (CRM 32837)

Há mais causas de inchaço que apenas varizes….

Há mais causas de inchaço que apenas varizes….

Paciente portadora de linfedema da perna direita

Durante os dias mais quentes do ano, queixas de inchaço nas pernas são muito comuns. Bastam algumas horas em pé e lá está ele, acompanhado ou não de sintomas como dor, coceira, vermelhidão. Embora muitas pessoas nunca tenham ouvido falar desta condição, o linfedema é uma causa comum inchaço de pernas e braços devido ao acúmulo local de líquido linfático.

Para entender melhor esse acúmulo, é preciso entender que existem três tipos de vasos sanguíneos no corpo. Artérias entregam o sangue rico em oxigênio e nutrientes do coração para os tecidos e órgãos do corpo. Já as veias levam o sangue de volta ao coração para ser novamente oxigenado pelos pulmões. Os vasos linfáticos são um terceiro tipo de vaso sanguíneo que transporta fluidos a partir dos tecidos e órgãos do corpo de volta para as veias.

Os vasos linfáticos são tubos longos e de paredes finas que formam uma rede muito complexa nos braços e nas pernas. Em alguns casos, estes vasos linfáticos estão ausentes, danificados ou destruídos, e o fluido linfático se acumula nos tecidos do braço ou perna, causando inchaço grave.

Muitas coisas podem danificar os vasos linfáticos e causar linfedema, incluindo câncer e tratamento de câncer (como cirurgia ou radioterapia), infecções, outros procedimentos cirúrgicos e determinadas lesões. Em alguns casos, o linfedema é uma condição hereditária que está presente ao nascimento ou se desenvolve durante os primeiros anos de vida ou na puberdade. Nestes casos hereditários, há geralmente um membro da família que também teve linfedema.

Ilustração de edema de tornozelos

O inchaço produzido pelo linfedema normalmente não é doloroso, mas pode causar desconforto, dor forte e até limitar a função de braços ou pernas, além de aumentar o risco de certas infecções

Nas fases iniciais de linfedema, o inchaço é macio. Nas fases mais avançadas, um tecido cicatricial fibroso pode se desenvolver no membro inchado, causando uma textura mais densa do inchaço e pele com aspecto de casca-de-laranja. O peso do membro pode estar aumentado, o que limita sua função e dificulta a realização de exercícios.

Além do inchaço, os pacientes com linfedema estão sob risco de desenvolver certos tipos de infecções da pele no braço ou perna, conhecido como celulite e linfangite. Além disso, quadros de linfedema grave e de longa data também aumentam o risco de desenvolver certos tipos de câncer, embora isso seja muito raro.

O linfedema é geralmente diagnosticado com base na história clínica e exame físico. Ele deve ser diferenciado de outras causas de inchaço dos membros, incluindo insuficiência venosa, varizes, trombose venosa profunda, insuficiência cardíaca congestiva, além de outras doenças que acometam rins, fígado e tireóide, e a própria obesidade.

Em alguns casos, pode ser necessária a realização de exames complementares, como a linfocintilografia, tomografia computadorizada ou ressonância magnética, exames de sangue, ou mesmo o ecodoppler.

Uso de braçadeira-elástica em paciente com linfedema de braço

Embora seja incomum curar completamente o linfedema, a maioria das pessoas que recebem o tratamento adequado pode levar uma vida normal e ativa.

A terapia mais importante para o linfedema é o uso de compressão elástica, seja como meias ou braçadeiras-elásticas, que devem ser usadas diariamente, e removidas durante a noite para dormir. A graduação da compressão necessária deverá ser indicada por um especialista, pois algumas meias elásticas podem não oferecer a compressão adequada ao tratamento.

Bomba de compressão pneumática

Além disso, a drenagem linfática e exercícios específicos também desempenham papel importante no tratamento. Em alguns casos, uma bomba de compressão pneumática pode ser utilizada nos braços ou pernas em casa para tratamento adicional.

Raramente, o tratamento cirúrgico pode ser recomendado para pacientes com linfedema avançado que não responderam ao tratamento clínico. Os resultados desses procedimentos são pouco animadores.

Dra. Ana Carolina Freire Costa (CRM 32837)