Varizes
varizes-sem-dor

É possível ter varizes sem dor nas pernas?

Alguns pacientes no consultório ficam chocados ao ver o quão extensa é sua doença venosa. Isso se deve ao fato de os sintomas muitas vezes se desenvolverem  e progredirem tão insidiosamente, que os pacientes não percebem que existe algum problema.
A doença venosa tende a ser um processo lento e progressivo com ampla variedade de sintomas. Os sintomas clássicos incluem dor nas pernas, sensação de peso, cansaço e inchaço no final do dia, que podem acompanhar volumosas varizes nas pernass, aglomerados de pequenas veias muito finas no meio dos tornozelos ou mesmo o surgimento de machas brancas perto dos tornozelos. No entanto, nem todo mundo apresenta todos os sintomas. Algumas pessoas se habitual a determinados tipos de dor. Além disso, enquanto o exercício regular é ótimo para sua saúde, muitos pacientes que se exercitam diariamente realmente aliviam seus sintomas, e nem mesmo percebem que apresentam doença venosa.

A melhor maneira de identificar se seus sintomas estão ou não relacionados às varizes é procurar um cirurgião vascular para realizar uma avaliação detalhada.

Dra. Ana Carolina Freire Costa (CRM 32837)

Trombose Venosa Profunda
ss

A Síndrome da Classe Econômica

Durante as férias muitas pessoas aproveitam para viajar para localidades mais distantes.  Isso costuma implicar em longas horas dentro de um carro ou avião. Quando você permanece sentado por um longo tempo, seja em viagens longas de carro ou voos de companhias aéreas, o seu risco de desenvolver um coágulo na circulação aumenta. O aumento da ocorrência de casos de trombose venosa profunda nas pernas decorrentes de longos períodos sentado dentro de um avião até originou o termo “síndrome da classe econômica, pois os aviões lotados oferecem pouco espaço para movimentar as pernas, e é justamente nelas que a trombose venosa profunda mais ocorre.

Exercícios simples, feito a cada hora durante a viagem, ajudam a estimular a circulação e reduzir o risco do desenvolvimento de coágulos. Abaixo seguem algumas orientações:

Exercite suas pernas enquanto sentado

  • Comece com movimentos de abrir e afastar seus dedos do pé 10 vezes. Movimente seus tornozelos, circulando seu pé nos sentidos horário e anti-horário 10 vezes para cada pé.
  • Com os pés apoiados no chão, eleve os dedos e os calcanhares alternadamente por 10 vezes. Repetir a sequência inteira de exercícios uma vez a cada hora.

Pe exercícios de perna

  • Exercite suas panturrilhas no corredor, levantando-se na ponta dos pés e mantendo a posição por 3 segundos. Apoie-se em algum lugar para manter o equilíbrio. Estique as pernase dobre cada uma delas para trás alternadamente. Pegue o seu tornozelo e puxe o calcanhar em direção a sua nádega, mantendo o tronco ereto. Mantenha a posição por 10 segundos.

Outras maneiras de prevenir a trombose venosa profunda em viagens:

  • O uso de meias elásticas com orientação médica é uma das principais medidas. O uso de medicações anti-coagulantes também pode ser indicado para pacientes de alto risco.
  • Simplesmente levantar-se e andar para cima e para baixo corredor do avião pelo menos uma vez por hora é uma precaução fácil de prevenir a TVP.
  • Mantenha-se hidratado, beba muita água e evite cafeína e álcool.
  • Evite descongestionantes e auxiliares de dormir, que também tendem a torná-lo desidratado.

Dra. Ana Carolina Freire Costa (CRM 32837)

linfedema, Microvarizes, Trombose Venosa Profunda, Varizes
10(61)

Alívio para pernas cansadas

Com essas temperaturas de Verão que tem feito em Porto Alegre em pleno, acabei por ter a oportunidade de testar um produto que só esperava fazê-lo lá por dezembro. Fui chamada para auxiliar uma cirurgia cardíaca de urgência e, claro, estava sem minhas meias elásticas aquele dia. Resultado: pernas MUITO cansadas. Foi então que, ao chegar em casa, resolvi testar o Clarins Lait Jambes Lourdes.

Trata-se de um dos produtos mais tradicionais nessa linha de cremes para aliviar os sintomas de “pernas pesadas”, como o próprio nome já sugere. O cheiro é agradável e não é muito forte, se considerarmos que esses produtos sempre tem o cheiro de menta bem presente. Contém erva de São João, camomila, avelã, majericão e sálvia. Absorve rápido na pele e deixa uma boa textura.

Esses cremes devem ser aplicados de forma semelhante: espalhe um quantidade suficiente do creme a partir dos pés e tornozelos até a parte de baixo da coxa, logo acima do joelho. Massageie com movimentos de baixo para cima, como uma drenagem linfática.

Existem vários cremes para essa finalidade, porém confesso que nunca havia testado por simplesmente não acreditar que funcionassem. Entretanto, como muitas pacientes me pedem orientações para alívio desses sintomas, resolvi testar. Fiquei bastante satisfeita, pois aquela sensação de latejamento ao deitar após 6 horas em pé numa cirurgia foi substituída pelo frescor do creme.

Devo acrescentar que tenho um daqueles “travesseiros anti-varizes”, que elevam os pés, e também faço uso dele sempre que o dia é mais puxado. No dia seguinta, já estava sem dor. Mas, na dúvida, saí de meia elástica…

Dra. Ana Carolina Freire Costa (CRM 32837)

Há mais causas de inchaço que apenas varizes….

Há mais causas de inchaço que apenas varizes….

Paciente portadora de linfedema da perna direita

Durante os dias mais quentes do ano, queixas de inchaço nas pernas são muito comuns. Bastam algumas horas em pé e lá está ele, acompanhado ou não de sintomas como dor, coceira, vermelhidão. Embora muitas pessoas nunca tenham ouvido falar desta condição, o linfedema é uma causa comum inchaço de pernas e braços devido ao acúmulo local de líquido linfático.

Para entender melhor esse acúmulo, é preciso entender que existem três tipos de vasos sanguíneos no corpo. Artérias entregam o sangue rico em oxigênio e nutrientes do coração para os tecidos e órgãos do corpo. Já as veias levam o sangue de volta ao coração para ser novamente oxigenado pelos pulmões. Os vasos linfáticos são um terceiro tipo de vaso sanguíneo que transporta fluidos a partir dos tecidos e órgãos do corpo de volta para as veias.

Os vasos linfáticos são tubos longos e de paredes finas que formam uma rede muito complexa nos braços e nas pernas. Em alguns casos, estes vasos linfáticos estão ausentes, danificados ou destruídos, e o fluido linfático se acumula nos tecidos do braço ou perna, causando inchaço grave.

Muitas coisas podem danificar os vasos linfáticos e causar linfedema, incluindo câncer e tratamento de câncer (como cirurgia ou radioterapia), infecções, outros procedimentos cirúrgicos e determinadas lesões. Em alguns casos, o linfedema é uma condição hereditária que está presente ao nascimento ou se desenvolve durante os primeiros anos de vida ou na puberdade. Nestes casos hereditários, há geralmente um membro da família que também teve linfedema.

Ilustração de edema de tornozelos

O inchaço produzido pelo linfedema normalmente não é doloroso, mas pode causar desconforto, dor forte e até limitar a função de braços ou pernas, além de aumentar o risco de certas infecções

Nas fases iniciais de linfedema, o inchaço é macio. Nas fases mais avançadas, um tecido cicatricial fibroso pode se desenvolver no membro inchado, causando uma textura mais densa do inchaço e pele com aspecto de casca-de-laranja. O peso do membro pode estar aumentado, o que limita sua função e dificulta a realização de exercícios.

Além do inchaço, os pacientes com linfedema estão sob risco de desenvolver certos tipos de infecções da pele no braço ou perna, conhecido como celulite e linfangite. Além disso, quadros de linfedema grave e de longa data também aumentam o risco de desenvolver certos tipos de câncer, embora isso seja muito raro.

O linfedema é geralmente diagnosticado com base na história clínica e exame físico. Ele deve ser diferenciado de outras causas de inchaço dos membros, incluindo insuficiência venosa, varizes, trombose venosa profunda, insuficiência cardíaca congestiva, além de outras doenças que acometam rins, fígado e tireóide, e a própria obesidade.

Em alguns casos, pode ser necessária a realização de exames complementares, como a linfocintilografia, tomografia computadorizada ou ressonância magnética, exames de sangue, ou mesmo o ecodoppler.

Uso de braçadeira-elástica em paciente com linfedema de braço

Embora seja incomum curar completamente o linfedema, a maioria das pessoas que recebem o tratamento adequado pode levar uma vida normal e ativa.

A terapia mais importante para o linfedema é o uso de compressão elástica, seja como meias ou braçadeiras-elásticas, que devem ser usadas diariamente, e removidas durante a noite para dormir. A graduação da compressão necessária deverá ser indicada por um especialista, pois algumas meias elásticas podem não oferecer a compressão adequada ao tratamento.

Bomba de compressão pneumática

Além disso, a drenagem linfática e exercícios específicos também desempenham papel importante no tratamento. Em alguns casos, uma bomba de compressão pneumática pode ser utilizada nos braços ou pernas em casa para tratamento adicional.

Raramente, o tratamento cirúrgico pode ser recomendado para pacientes com linfedema avançado que não responderam ao tratamento clínico. Os resultados desses procedimentos são pouco animadores.

Dra. Ana Carolina Freire Costa (CRM 32837)