Varizes
sindrome-das-pernas-inquietas

Síndrome das Pernas Inquietas

A Síndrome das Pernas Inquietas (SPI) afeta 10-15% das pessoas e é caracterizada pela vontade irresistível de mover as pernas na tentativa de interromper sensações estranhas ou desconfortáveis. Mais comummente, as pernas do paciente se tornam desconfortáveis quando deitado ou sentado – alguns descrevem como uma sensação de  “formigamento ou queimação “. Movimentar as pernas ajuda a melhorar os sintomas, mas não por muito tempo.

A SPI pode ser associada com muitos problemas, tais como a diabetes, neuropatia, falência renal, anemia ou deficiência de vitaminas. No entanto, varizes também podem ser responsáveis pelos sintomas. Enquanto as veias saudáveis levam o sangue de volta para o coração, o retardo nesse processo em veias varicosas pode levar a um acúmulo de substâncias tóxicas e resíduos metabólicos , que podem causar sintomas de SPI.

O tratamento das varizes pode alcançar bons resultados. De acordo com estudos recentes , alguns pacientes com SPI têm experimentado uma melhora dramática ou eliminação de seus sintomas através do tratamento das varizes.

Dra. Ana Carolina Freire Costa (CRM 32837)

Varizes
ff

Como prevenir as varizes durante a gravidez

Embora a hereditariedade seja a principal causa de doença venosa , as mulheres estão em maior risco que os homens. E cada gravidez aumenta a probabilidade de desenvolver varizes.

As veias são os vasos sanguíneos que levam o sangue de volta das extremidades para o coração , de forma que o sangue na perna veias segue esse caminho contra a gravidade . Durante a gravidez, o útero em crescimento exerce uma pressão sobre a veia central , no lado direito do corpo (veia cava inferior), que, por sua vez, aumenta a pressão nas veias das pernas . Durante a gravidez, a quantidade de sangue no corpo aumenta , aumentando a sobrecarga nas veias . Além disso, as alterações hormonais desse período provocam o relaxamento das paredes das veias.

Há algumas dicas úteis para retardar ou prevenir a progressão de varizes durante a gravidez :

  • Praticar exercícios diariamente para manter uma boa circulação.
  • Mantenha-se na faixa de peso recomendada durante a gravidez.
  • Elevação de pés e pernas sempre que possível.
  • Evitar permanecer sentada ou em pé por longos períodos sem fazer pausas para se movimentar.
  • Usar meias de compressão graduada . Estas meias estão disponíveis lojas especializadas. Elas exercem mais pressão no tornozelo e ficam menos apertadas nos pontos mais altos da perna, o que ajuda o sangue fluir de volta para o coração.

Dra. Ana Carolina Freire Costa (CRM 32837)

Varizes
dd

É possível realizar escleroterapia durante a gestação?

De acordo com a literatura, o tratamento de varizes vulvares dolorosas pode ser feito durante a gravidez. Há inúmeros relatos de pacientes submetidas a escleroterapia  para varizes das pernas durante a gestação de maneira intencional ou acidental, sem qualquer prejuízo para o feto. Entretanto, esses relatos tem pouco valor para avaliação de segurança. Segundo as diretrizes e informações dos fabricantes dos principais esclerosantes disponíveis no mercado , a gravidez é uma contra-indicação para a escleroterapia, pois seus estudos de segurança foram conduzidos apenas em animais (devido às questões éticas óbvias desse tipo de pesquisa).

Assim, ainda que os relatos de casos não indiquem risco aumentado para a mãe ou para o feto, a realização desse procedimento na gestação deve ser evitada. Além da literatura científica limitada sobre o assunto, ainda há a a alta probabilidade de regressão espontânea de varizes pós-parto. Dessa forma, deve-se preferir medidas conservadoras durante a gravidez, como o uso de meias elásticas, ou eliminação de varizes antes ou após a gravidez.

Dra. Ana Carolina Freire Costa (CRM 32837)

Varizes
duvidas-meias-easticas

Dúvidas frequentes sobre meias elásticas

O uso das meias elásticas melhora o fluxo de sangue nas pernas. Essas meias comprimem delicadamente suas pernas para forçar o sangue nas suas pernas em direção ao coração. Isso ajuda a evitar inchaço nas pernas e, em menor grau, a formação de coágulos sanguíneos (trombose).

As meias , ou meias de compressão, podem ser indicadas pelo médico se o paciente apresentar varizes, vasinhos ou mesmo para aqueles que estiverem se recuperando de cirurgias.

As meias elásticas auxiliam no tratamento de:

  • Dor e sensação de peso nas pernas
  • Inchaço nas pernas
  • Prevenção da trombose, especialmente após cirurgias ou lesões que causem imobilização

Tipos de meias de compressão

Existem várias meias de compressão. O ideal é que seu uso seja orientado por um médico de acordo com as particularidades de cada caso. Há diversos tipos de meias elásticas, que diferem de acordo com o grau de compressão (suave, média ou alta), comprimento (3/4, 7/8, meia-calça, etc.) e cores.

É muito frequente que os pacientes se queixem de da dificuldade em usar as meias por questões estéticas. Entretanto, hoje temos meias mais bonitas e confortáveis, como a Ever Sheer da Sigvaris e a Sheer Soft da Medi.

Onde comprar as meias elásticas

As meias de suave compressão podem ser adquiridas em algumas farmácias e até mesmo lojas de departamento. Já as meias de média e alta compressão podem ser encontradas em casas especializadas.

Como usar as meias de compressão

As meias de compressão devem ser usadas durante todo o dia. A pressão deve ser forte o suficiente para ser percebida pelo paciente, sendo mais intensa no tornozelo e menor na parte de cima da perna.

Como calçar as meias de compressão

  • As meias devem ser vestidas ainda de manhã antes de sair da cama. As suas pernas normalmente ainda não estão inchadas no início da manhã.
  • Segure a parte superior da meia e enrole até o calcanhar.
  • Coloque o seu pé na meia, tanto quanto você puder. Posicione o seu calcanhar no calcanhar da meia.
  • Puxe toda a meia para cima do tornozelo e desenrole-a sobre sua perna.
  • Quando a parte superior da meia já estiver no lugar, puxe o tecido para desfazer as dobras – cuidado com as unhas, anéis e relógios que podem puxar o fio.
  • Não deixe que fiquem dobras na meia .
  • Meias 3/4 devem chegar a dois dedos abaixo da curva do joelho.

Algumas dicas podem ajudar a colocação das meias:

  • Se você usar loção em suas pernas, deixe-a secar antes de colocar as meias.
  • O uso de talco nas pernas pode ajudar as meias a deslizar para cima.
  • Use luvas de borracha para ajudar a colocação.
  • Para meias sem ponteira, use um dispositivo especial para deslizar a meia sobre o seu pé.

Lave suas meias diariamente

  • Lave as meias todos os dias com água e sabão neutro. Deixe secar naturalmente.
  • Se você puder, tenha dois pares. Alternar os pares a cada dia, enquanto o outro é lavado.
  • Troque suas meias a cada 3-6 meses, pois o tecido acaba por perder seu poder de compressão.

Lembre-se:

Embora a pressão deva ser percebida por quem usa a meia, ela não deve ser desconfortável. Se houver qualquer desconforto, o médico deve ser consultado. Pode haver tipos diferentes de meias que se adaptem melhor às suas pernas. Não deixe de usar suas meias sem comunicar seu médico

Dra. Ana Carolina Freire Costa (CRM 32837)

Varizes
ff

Qual a melhor forma de tratar as vasinhos?

Muitas pacientes me questionam sobre o tratamento mais eficaz para os vasinhos. Frequentemente, comparecem à consulta com uma idéia pré-estabelecida baseada em algum programa veiculado na mídia. É comum que venham encantadas com o resultado da injeção de espuma ou do laser. Entretanto, os programas de TV mostram apenas o resultado imediato e não abordam os resultados a longo prazo do tratamento.

A escolha do tratamento mais adequado só pode ser feita após a minuciosa avaliação do paciente, seja apenas na consulta médica, ou ainda através da complementação com exames de ecografia ou outros, que possam ser necessários. Ainda assim, pode haver mais de um tratamento adequado.

Determinados vasinhos podem ser tratados com escleroterapia convencional (a “secagem de vasinhos”) ou por laser, por exemplo. A escolha entre os métodos deve considerar o tipo de pele, tempo disponível para o tratamento, sensibilidade e a preferência do paciente. Acredito que as variáveis devem ser colocadas de maneira clara ao paciente que busca tratamento.

Não existe uma fórmula que funcione para todos. Além disso, um tratamento pode ter um resultado diferente do esperado inicialmente e precisar ser trocado, interrompido ou intensificado. A reavaliação dos resultados deve ocorrer a cada nova sessão.

Dra. Ana Carolina Freire Costa (CRM 32837)

Cirurgia endovascular, Mioma uterino, Serviços
Mioma Uterino

Opção de tratamento para Mioma Uterino

Embolização de Artérias Uterinas

A Embolização das artérias uterinas é um tratamento minimamente invasivo para miomas uterinos, que são tumores não cancerosos no útero. Na embolização da artéria uterina – também conhecida como Embolização de miomas uterinos – um cateter é introduzido na circulação para injetar pequenas partículas nas artérias uterinas – que fornecem sangue aos seus miomas e do útero – e obstruí-las. Dessa forma, o suprimento de sangue aos miomas é drasticamente reduzido, o que provoca sua redução de tamanho.
No procedimento de embolização são usadas técnicas de imagem para guiar procedimentos que seriam impossíveis com a cirurgia convencional. Esses procedimento são realizados por cirurgiões vasculares, radiologistas intervencionistas, ou mesmo alguns ginecologistas que tenham formação em técnica endovascular.

São candidatas à embolização da artéria uterina as pacientes em pré-menopausa e que:

  • Tenham dor ou sangramento intenso devido aos miomas uterinos
  • Apresentem alto risco para cirurgia ou que desejem preservar seu útero.
  • Não tenham planos de gravidez futura

Sintomas

Ilustração de miomas em diferentes regiões do útero

Os miomas uterinos podem causar sintomas graves em algumas mulheres, incluindo sangramento, dor pélvica e um aumento do abdome. A embolização da artéria uterina destrói o tecido dos miomas e alivia esses sintomas – especialmente a hemorragia e inchaço abdominal – e oferece uma alternativa à cirurgia para remover miomas (miomectomia) ou cirurgia para remover o útero (histerectomia). O procedimento provoca a redução de volume e consistência dos miomas, mas não causa seu desaparecimento.

O tratamento de embolização da artéria uterina apresenta vantagens decorrentes de alterações fisiológicas causadas pela presença de miomas uterinos. Um útero com miomas tem os vasos sanguíneos menores do que um útero normal. Isso porque os miomas estimulam a formação de novos vasos sanguíneos para nutrí-lo. Durante a embolização da artéria uterina, pequenas partículas (agentes embólicos) seguem este aumento do fluxo sanguíneo para os miomas e se aninham nos ramos que alimentam os tumores. Acredita-se que o tecido normal do útero não é prejudicado, em parte porque recebe sangue das artérias adicionais, conhecidas como circulação colateral.

Esquema do procedimento de embolização de mioma uterino

Complicações do procedimento

A ocorrência de complicações é extremamente rara. Estas podem incluir:

  • Infecção: Um mioma degenerado  pelo procedimento pode proporcionar um local para o crescimento bacteriano e levar a uma infecção do útero. Muitas infecções uterinas podem ser tratada com antibióticos, mas, em casos extremos, a infecção pode exigir a retirada cirúrgica do útero.
  • Danos a outros órgãos: Embolização não intencional de outro órgão ou tecido pode levar a uma doença grave. Mesmo quando a embolização é realizada corretamente, os ovários podem ser afetados, por exemplo. Isso poderia resultar na interrupção dos ciclos menstruais, que é mais comum em pacientes com mais de 50 anos. Também a circulação das pernas, da musculatura e pele glútea podem ser afetadas, dentre outras.
  • Exposição à radiação: A embolização da artéria uterina expõe os ovários à radiação para captura das imagens do exame.
  • Tecido cicatricial: A embolização de miomas projetados para a parte externa do útero podem resultar na formação de aderências, faixas de tecido cicatricial entre os órgãos pélvicos. Mas o tratamento cirúrgico de miomas, como a miomectomia, também traz esse risco.
  • Possíveis problemas em futuras gestações: As mulheres podem ter gestações saudáveis após a embolização da artéria uterina. No entanto, algumas evidências sugerem complicações na gravidez, incluindo as anomalias de fixação da placenta, que podem ser mais frequentes após o procedimento.A opção por esse tipo de tratamento depende de uma série de condições técnicas e o encaminhamento para o procedimento deve ser feito após a avaliação de um médico ginecologista. Miomas muito grandes ou que sejam pendentes por uma haste causam divergências quanto ao melhor tratamento entre os profissionais.

Razões para evitar este procedimento

Não submetidos a embolização de artéria uterina, se houver:

  • História de radiação pélvica
  • História de insuficiência renal
  • Câncer pélvico possível
  • Infecção pélvica ativa, recente ou crônica.
  • Diabetes mal controlado
  • Inflamação dos vasos sanguíneos (vasculite)
  • Distúrbio de sangramento
  • Alergia severa ao iodo
  • Desejo de gravidez futura

Resultados

Estudos demonstraram que a embolização de artéria uterina reduz sintomas como sangramento intenso, incontinência urinária e aumento abdominal em 75% ou mais das mulheres que se submetem ao procedimento para tratar os miomas.

Cinco anos após o tratamento com embolização da artéria uterina, mais de 75% das mulheres mantiveram o controle dos sintomas. Estes resultados são comparáveis com a cirurgia, em que os miomas são removidos cirurgicamente e o útero reparado.

Menstruação e menopausa:

Os ciclos mentruais normalmente reiniciam dentro de alguns meses. Um pequeno número de mulheres, no entanto, entram na menopausa após o procedimento. O risco maior aparece entre as mulheres de 45 anos ou mais. A causa pode ser que os ovários e o útero compatilham alguns casos e, quando as artérias uterinas são embolizadas, isso pode resultadar na interrupção do fornecimento de sangue para os ovários. Se você está se aproximando da menopausa (perimenopausa), tal interrupção poderia levar à menopausa.

Se você quer ter filhos ou pensar que você pode querer em algum ponto, converse com seu médico sobre como embolização da artéria uterina pode afetar sua fertilidade. Embora o risco de entrar na menopausa decorrente do procedimento seja baixo, pequenos danos aos ovários podem tornar mais difícil engravidar. Também pode haver um risco aumentado de complicações na gravidez, especialmente envolvendo a colocação anormal da placenta. Apesar desses riscos, muitas mulheres tiveram gravidezes bem sucedidas após a embolização da artéria uterina.

Dra. Ana Carolina Freire Costa (CRM 32837)

Varizes
002

Tratamento de Varizes Pélvicas

“Embolização”é a ténica que trata as Varizes Pélvicas

Fonte: www.segs.com.br

A dor pélvica gera problemas psicológicos, como depressão e perda da auto estima

Até então pouco conhecido e pouco valorizado quando o assunto é Varizes Pélvicas, mas o diagnóstico e o interesse nas varizes pélvicas vem aumentando entre os cirurgiões vasculares e ginecologistas.

As varizes pélvicas são reconhecidas pelo aumento do diâmetro das veias que envolvem a parte externa do útero e dos ovários e está ligada à fragilidade do sistema vascular. A doença é diagnosticada através do exame de ultrassom pélvico e ou transvaginal.

No Brasil ainda há poucos estudos de prevalência dessa doença, porém nos Estados Unidos e Europa estima-se que em torno de 15% da população tem a doença.

Segundo o Dr. José João Lopes, cirurgião vascular e angiologista, pós-graduado em Angiologia e Cirurgia Vascular, a queixa principal das mulheres quanto a varizes pélvicas é a dor e o desconforto pélvico relacionados a fase pré menstrual e durante a relação sexual, caso este, que leva a problemas emocionais e até a perda da auto-estima. “Acredita-se que com os novos meios de diagnóstico e tratamento, muitos dos casos sintomáticos serão diagnosticados e tratados. O diagnóstico é feito quando a mulher relata estes sintomas e é confirmado pelo ultrassom pélvico e transvaginal” , afirma.

A técnica mais moderna e que dá melhor resultado é a  “embolização”, que é a colocação de pequenas molas dentro de veias pélvicas realizadas por cateterismo, através de uma simples punção em veia na região da virilha e que não precisa de internação hospitalar (tratamento endovascular).

Muitas mulheres que sentem dor no ato sexual e não se encontra a causa, podem ter varizes pélvicas. Às vezes quem têm varizes pélvicas também têm varizes vulvares ou na região da coxa indo para a nádega. “Fluxo menstrual anormal e sensação de cansaço ou dor em pé com piora no final do dia podem ser sinal da presença de varizes pélvicas”, afirma Dr. José João.

O médico explica que as causas mais frequentes das varizes pélvicas são: dores na região pélvica, desconforto durante e após a relação sexual, fragilidade do sistema vascular, hereditariedade, sedentarismo, distúrbios hormonais, aumento da vontade de urinar, sensação de peso nas pernas agravado no período pré-menstrual, corrimento anormal, cólica inexplicável e sangramento menstrual exagerado.

A maioria das pessoas dá pouca importância ao fato. O Dr. José João Lopes esclarece que o tratamento é simples e não precisa internação. Pode estar associado a múltiplas gestações e geralmente atinge mulheres acima de 30 anos. Muitas delas, por não terem sido diagnosticadas e, consequentemente, não tratadas têm frigidez secundária.

Comentários:

Há alguns anos, o tratamento das varizes pélvicas era considerado extremamente arriscado pela maioria dos médicos. Poucos eram os cirurgiões que se sentiam confortáveis a realizá-lo ou mesmo a indicar a seus pacientes. Tanto receio acabou tornando esse diagnóstico quase desconhecido de alguns médicos que, na impossilidade de propor um tratamento efetivo, já nem sequer o pesquisavam. Não é incomum encontrar mulheres que passaram anos em sofrimento por dores adbominais relacionadas às varizes pélvicas sem que qualquer tratamento eficaz fosse proposto.

Entretanto, com o avanço da cirurgia endovascular, o tratamento das varizes pélvicas se tornou mais simples e factível em grande número de pacientes. Sua indicação deve sempre estar embasada na avaliação combinada de especialistas, principalmente o ginecologista, para chegar aos melhores resultados.

Dra. Ana Carolina Freire Costa (CRM 32837)

Varizes Pélvicas

Varizes Pélvicas

Sempre que se fala em cirurgia de varizes, surge a dúvida: mas elas não voltam mesmo após a cirurgia? Essa é uma crença bastante comum e, em parte, justificada pelo surgimento de novas veias dilatadas após a cirurgia em pacientes com tendência importante à doença varicosa. Entretanto, a simples tendência genética pode não ser a única culpada pelo surgimento de novas veias doentes. Hoje discute-se o papel das varizes pélvicas na recorrência de varizes nas pernas.

Varizes pélvicas são veias dilatadas e com função comprometida que surgem na parte interna da pelve. São muito mais comuns nas mulheres, onde envolvem o útero e ovários, mas também podem acometer os homens.

Constituem uma das causas de dor pélvica crônica, que é a dor não-cíclica na pelve com duração superior a 6 meses. Além disso, pode surgir desconforto durante e após a relação sexual, sensação de peso nas pernas agravado no período pré-menstrual, dor pélvica ao exercício, cólica intensa e sangramento menstrual exagerado. Esse quadro é conhecido como Síndrome de Congestão Pélvica.

As veias da pelve compartilham as mesmas vias de circulação que as veias das pernas. Por isso, um distúrbio de função das veias pélvicas pode sobrecarregar as veias das pernas e provocar varizes nas pernas. Caso isso não seja diagnosticado antes da cirurgia de varizes, novas veias podem se dilatar até mesmo apenas 6 meses após a cirurgia.

O exame clínico costuma ser insuficiente para detectar a doença em mulheres. Nos homens, é possível visualizar as varizes na bolsa escrotal (varicocele). Exames complementares são necessários para confirmar o diagnóstico.

Na presença de varizes pélvicas confirmadas associadas a sintomas ou recorrência de varizes nas pernas após cirurgia, deve-se considerar o tratamento cirúrgico. Atualmente, a cirurgia convencional pode ser substituída por uma técnica de tratamento minimamente invasiva através de cateterismo.

Dra. Ana Carolina Freire Costa, médica (CRM/RS 32837)

Varizes em gestantes: há contra-indicação para o tratamento de varizes durante a gravidez?

Varizes em gestantes: há contra-indicação para o tratamento de varizes durante a gravidez?

Sim. É recomendável que qualquer tratamento, especialmente o cirúrgico, seja realizado somente três meses após a gravidez.

Entretanto, isso não quer dizer que se deva esperar passar por uma gestação para iniciar o tratamento de varizes, mesmo o cirúrgico. Se você tem planos para engravidar e sente os sintomas de varizes, como dores nas pernas, sensação de cansaço, câimbras entre outros, é extremamente importante realizar um tratamento de varizes antes da gestação. Durante a gravidez, as veias já dilatadas podem chegar a dobrar ou triplicar de tamanho, gerando desconforto e fortes dores nas pernas.

Todavia, se você já está em período de gestação, recomenda-se o uso de meias elásticas para gestantes e seguir as orientações de seu ginecologista. A boa notícia é que a maioria das veias dilatadas que surgem na primeira gestação voltam ao normal após o termino da gravidez. A partir da segunda gestação, as veias doentes tendem a permanecer. Se for o seu caso, você deverá procurar um cirurgião vascular três meses após o parto.

Por que as varizes aumentam na gravidez?

Vários fatores contribuem para isso. Durante a gestação, há aumento de um hormônio chamado Progesterona, que atua também relaxando a delgada musculatura da parede das veias. Além disso, com o passar dos meses, aumenta o volume de sangue circulando na gestante, o que sobrecarrega as veias. Soma-se a isso a compressão que o útero gravídico exerce sobre as veias do abdome e pelve, impedindo o esvaziamento adequado das veias das perna nessas. Tudo isso acaba por causar o surgimento de varizes grossas.

Como se prevenir das varizes na gravidez?

A principal maneira é usar meias elásticas de média compressão até o fim da gestação. Existem meias específicas para gestantes. Para conhecer o método mais adequado de uso das meias, é necessária uma avaliação médica.

A prática de exercícios também é um ótimo hábito, sempre com orientação de seu ginecologista.

Dra. Ana Carolina Freire Costa, médica (CRM/RS 32837)