fbpx

Tratamento de microvarizes (Escleroterapia ou “secagem de vasinhos”)

Microvarizes

A escleroterapia, popularmente conhecida como “aplicação” ou “secagem de vasinhos” é atualmente a terapia mais escolhida para o tratamento das microvarizes.

As microvarizes correspondem ao termo telangiectasia, que designa os vasos cutâneos visíveis que medem de 0,1 a 1mm de diâmetro. Podem se apresentar como linhas fracamente eritematosas até um aspecto roxo e elevado, como cachos de uva. Muitas vezes, nota-se a conexão com as veias reticulares (entre 2 e 4mm de diâmetros), maiores e nutridoras dessas microvarizes. Nesses casos, o tratamento completo pode incluir a correção cirúrgica das varizes maiores.

Quando o tratamento escleroterápico é indicado em complementação à cirurgia, as sessões devem ser iniciadas cerca de 1 mês após a intervenção, quando as equimoses pós-operatórias já estão quase totalmente resolvidas.

Muitos autores acreditam que o tratamento esclerosante das varizes deve ser feito sempre com compressão elástica, meias ou bandagens após o procedimento. Entretanto, sua utilização nas microvarizes menores que 1mm não encontra embasamento científico relevante. Atualmente, sabe-se que é possível descartar o uso da compressão elástica nesses casos e reservá-lo para o tratamento das telangiectasias semelhantes a “cachos de uva”. Esse uso seletivo proporciona mais conforto à maioria dos paciente.

A frequência das sessões também constitui outra polêmica. Alguns autores observaram que a repetida reação inflamatória, produzida pela aplicação do produto em uma mesma região, sem o necessário intervalo de cerca de 4 semanas, pode funcionar como estímulo ao surgimento de finíssimas telangiectasias no local.

Existem diversos tipos de agentes esclerosantes no mercado, entre os quais estão a Glicose Hipertônica, Polidocanol, Ethamolin e a Glicerina Crômica. Todos apresentam bons resultados quando são obedecidas as regras de indicação pertinentes e cabe ao cirurgião vascular a escolha do agente mais adequado para cada caso.

Durante o tratamento esclerosante, reações como ardência e coceira são esperadas, bem como pequenos hematomas, que desaparecem em tempo variável de acordo com o tipo de pele.

Entretanto, independente do tipo de esclerosante escolhido, o paciente deve ser informado que efeitos colaterais indesejáveis podem surgir, como: pigmentação, formação de coágulos, úlceras, alergia, entre outras.

Como método complementar e algumas vezes alternativo à escleroterapia por agentes químicos, há o uso de laser. Esse método tem como principais vantagens ser pouco invasivo (não usa agulhas), ser desprovido de reações alérgicas (não há injeção de medicamentos), induzir menor reação inflamatória cutânea e causar menor risco de manchas hipercrômicas (escuras) na pele. Existem também contra-indicações ao método, como tonalidade da pele, bronzeamento, calibre e profundidade do vaso.

Dra. Ana Carolina Freire Costa, médica (CRM/RS 32837)

Voltar para a página Inicial

Compartilhe este post:
  • Qual a vantagem de tratar as varizes com Espuma?
    Espuma

    Qual a vantagem de tratar as varizes com Espuma?

    A técnica de espuma é altamente eficaz para tratar vasinhos e varizes volumosas. A espuma atinge veias onde o bisturi não alcança. ...
  • Varizes

    Como diferenciar vasinhos de varizes?

    Embora os pacientes costumem usar os termos vasinhos e varizes como sinônimos, são problemas distintos, embora muitas vezes relacionados, e ambos ...
  • Varizes

    Síndrome das Pernas Inquietas

    A Síndrome das Pernas Inquietas (SPI) afeta 10-15% das pessoas e é caracterizada pela vontade irresistível de mover as pernas na ...
Carregar mais artigos relacionados

Deixe uma Resposta

Seu endereço de email não será publicado.Campos marcados são obrigatórios *

Veja Também

Você deve tratar os vasinhos mesmo que eles não te incomodem, sim!

Apesar de muitos acharem que os vasinhos são ...

Inscreva-se

Pesquisar…

Envie sua Mensagem
Enviar via WhatsApp